Um vento quente sopra do mar do Caribe, os hibiscos estão em flor, e você e seu amor estão sentados com os pés para cima na varanda privativa do hotel. com vista para as ruas de pedra da Cidade Velha de Nassau.

Acrescente à cena um copo de rum dourado e você terá uma boa ideia de como era ser um pirata contemplando o horizonte em meados do século 18. Esse é o Graycliff Hotel, construído em 1740 pelo temido Capitão John Howard Graysmith, pirata que saqueou galeões espanhóis por todo o Caribe com a escuna Graywolf.

Ele ergueu a mansão, em estilo georgiano, no topo de uma colina com vista para o mar para poder ver todo navio que chegasse. Mais tarde, a casa tornou-se guarnição da Marinha dos Estados Unidos e a primeira pousada de Nassau, local preferido dos norte-americanos que. nos anos da Lei Seca, partiam em busca de diversão.

Hoje, você pode vagar pelo hotel silencioso, com antiguidades rangentes e tapetes orientais que sugerem uma época de opulência – possivelmente roubada – que acabou há muito tempo. Nade na piscina de azulejos espanhóis, abra um livro mofado na biblioteca, fume um Cohiba feito na fábrica de charutos própria do hotel.

O restaurante é famoso pelas cozinhas francesa e caribenha, e a adega, com mais de 250 mil garrafas de quatrocentos viticultores, incluindo raridades preciosas como um Château Lafite 1865 e um Rüdesheimer Apostelwein 1727 (um dos vinhos mais caros do mundo), tem renome mundial.

Entre sonecas, banhos de piscina e banquetes regados a vinho, você e seu amor podem descer a colina até Nassau para se divertir. Vá ao museu interativo Pirates of Nassau, suba os degraus de pedra talhada à mão que levam ao Forte Fincastle, do século 18, ou nade com snorkel no recife colorido que circunda a ilha. Talvez você encontre um baú de tesouro pirata perdido!