Uma das imagens mais marcantes de Ladrão de casaca, clássico de Alfred Hitchcock, é Grace Kelly à toda em um conversível azul pela Riviera Francesa, com um imperturbável Cary Grant no banco do passageiro.

A atriz, com seu loiro perfeito, twinset cor-de-rosa e lenço ao vento, é a garota típica dos glamourosos anos 1950.

No final da cena, o casal se beija em um mirante de onde se vê Mônaco, onde Grace Kelly encontrou seu príncipe encantado de verdade – Rainier, príncipe de Mônaco, com quem ela se casou em 1956.

A mídia chamou o enlace de “o casamento do século’: O mar azul, os lânguidos recortes do litoral, as grandes falésias costeiras e a luz maravilhosa permanecem como eram no tempo de Grace Kelly.

A Grande Corniche, a mais elevada das três estradas costeiras e pano de fundo da famosa perseguição de carro, foi oficialmente construída por Napoleão no início do século 19, mas já era usada pelos romanos para ligar Roma à Provença moderna. Trata-se de uma sucessão de vistas magníficas e é o máximo em termos de passeio panorâmico.

Mais abaixo fica a Moyenne Corniche. Construída em 1920 para aliviar o congestionamento na estrada da costa (já naquela época!), ela serpenteia pelas encostas e culmina em Èze.

Localizada sobre um promontório rochoso 427m acima do mar, essa aldeia medieval faz jus ao apelido de “ninho da águia”. É toda calçada com seixos e oferece vistas fenomenais.

Visite-a fora da temporada ou passe a noite no local, e você será conquistado por sua magia. E, por fim, há a Basse Corniche, que acompanha a costa do Mediterrâneo e passa pelas lindas Villefranche-sur-Mer e Beaulieu-sur-Mer, em estilo belle époque.

Era ali que os norte-americanos ricos passavam o inverno entre o final do século 19 e o início do século 20; muitos deles no cassino, sem sequer imaginar que um dia uma estrela de Hollywood se casaria com o soberano de Mônaco.