Seu nariz e o de seu amor ficaram vermelhos antes mesmo de os cavalos começarem a se mover, mas pelo menos o cocheiro lhes deu cobertores para proteger os joelhos gelados. Um movimento das rédeas e lá vão vocês, as grandes rodas da carruagem aberta girando com facilidade por sobre as pedras.

Saindo da grande praça, vocês entram nas ruelas que formam a Cidade Velha de Cracóvia. A neve faz com que vocês desviem o olhar do chão branco para os edifícios coloridos, as torres góticas e os telhados rebuscados das casas barrocas. O nariz de ambos formiga por causa do ar frio, mas o passeio não demora muito – a Cidade Velha não dá nem 1km de um extremo ao outro.

O ponto mais distante a que você pode chegar é o Castelo de Wawel, no alto do morro. Esse foi o centro político do poder na Polônia por mais de quinhentos anos, e a Cidade Velha, mais abaixo, foi a capital intelectual do país por mais tempo ainda. Seu pequeno centro é cercado por um parque (onde ficavam as muralhas da velha Cracóvia) e pelo rio.

No meio há casas antigas, igrejas e a maior praça medieval da Europa – não é de admirar que fique abarrotada de gente no verão! Mas se vocês forem para lá no inverno, serão outros quinhentos: a cidade fica menos movimentada, e, em um dia frio, mais bonita – é o tipo de lugar melhor para explorar na companhia do seu amor.

Você pode visitar as atrações turísticas, é claro, mas precisa reservar bastante tempo para aquecer uma xícara de chocolate quente ou saborear um grzaniec (“vinho quente”), enquanto investiga as arcadas cheias de bugigangas sob o Salão de Tecidos.

Os dias são curtos, por isso o jantar pode ser longo. À noite, as igrejas se enchem de música, e as árvores de Natal ficam armadas até o final de janeiro, fazendo com que a cidade pareça festiva nos meses mais escuros. Não vá com amigos – você não vai precisar deles. Cracóvia no inverno é perfeita para um tempo a dois.